Retinografia

DEFINIÇÃO E INDICAÇÕES

Registro fotográfico do fundo de olho e de suas alterações. Fotografias realizadas com luz branca intensa, para registrar forma, contornos, relevo, coloração e características fundoscópicas e das lesões, retina posterior e periférica, coróide, vasos e de tumores intra-oculares. A retinografia é indicada principalmente para clientes com retinopatia diabética, retinopatia hipertensiva, oclusão vascular retiniana, edema de mácula, maculopatia serosa central, doenças inflamatórias ou infecciosas coriorretinianas, distrofias de retina, traumatismo de retina, degeneração macular relacionada à idade, descolamento de retina (pré- e pós-cirurgia), para futura análise e acompanhamento do caso. Em caso de tumores intra-oculares primários (como por exemplo hemangioma, osteoma ou melanoma de coróide) ou metastáticos, é fundamental o registro fotográfico antes e após qualquer tipo de tratamento. No período após o tratamento, o exame deve ser repetido em intervalos regulares para avaliar o crescimento ou a regressão da lesão e eventuais complicações.

Este exame também pode ser solicitado nos seguintes casos: edema de papila (papiledema), processo inflamatório do nervo óptico (neurite óptica), pseudopapiledema (drusas de papila), tumores do disco óptico (benignos como melanocitoma e malignos como melanoma, infiltração linfomatosa ou leucêmica do disco óptico e tumores metastáticos para o nervo óptico). O edema ou a atrofia de mácula e do disco óptico principalmente em casos de hipertensão ocular ou glaucoma tem indicação do exame de estereofoto de papila ou de pólo posterior. Malformações de disco óptico (coloboma), da retina e da coróide podem ser acompanhadas com retinografia para registro de possível alterações.

 

ORIENTAÇÕES NECESSÁRIAS

  • Não há necessidade de Jejum;
  • Dilatação da pupila de ambos os olhos, com embaçamento visual duradouro (em média, de 6 a 8 horas de duração);
  • Presença de acompanhante maior de 18 anos é opcional não obrigatória;
  • Durante o exame, são feitas fotografias repetidas do fundo de olho que utilizam flash, e podem causar desconforto e fotofobia;
  • Não há a necessidade de suspensão de qualquer medicação e/ou de colírios.

REGIÕES ESTUDADAS

Retina e coróide tanto posterior quanto periférica e disco óptico.

 

INTERPRETAÇÃO E COMENTÁRIOS

Em casos de retinopatia diabética, retinopatia hipertensiva, edema de mácula, maculopatia serosa central e degeneração macular relacionada à idade o registro fotográfico permite o acompanhamento da evolução destas doenças crônicas.
No caso de tumores intra-oculares benignos ou malignos, primários ou metastáticos, o registro fotográfico é indicado tanto se a contratada for observacional quanto se for intenvencional antes e após qualquer tipo de tratamento, e, no período após o tratamento, o exame deve ser repetido a intervalos regulares para avaliar o crescimento ou a regressão da lesão.

×
Olá, quero marcar uma consulta!